O turismo está cada vez mais tecnológico, e muito disso se deve às novas gerações de turistas, os chamados millennials – pessoas que têm, hoje, entre 18 e 35 anos –, também conhecidos por geração Y, nascidos e criados com novas tecnologias.

Termos como Big Data, Realidade Virtual (AR), Internet das coisas (IoT) e Smart Cities são comuns no vocabulário dessa geração, que espera que destinos e empresas estejam cada vez mais equipados para atender às suas necessidades tecnológicas. E esse não é público que pode ser simplesmente ignorado…

De acordo com o relatório “2020 Hotel Trend Report”, divulgado pelo portal Hotel News Now, os millennials podem dominar o perfil demográfico dos viajantes nos próximos dois anos pois são mais propensos a tirar férias do que as gerações mais velhas.

Com isso em mente, é importante estar atento às novas tecnologias que estão mudando os rumos do turismo e que agora, passam a ser vistas como coisas básicas para esse novo viajante 4.0. Confira:

Big Data

Conhecer os gostos e costumes do turista sempre foi um aspecto vital para agências de viagens e empresas hoteleiras. “Hoje, com ferramentas de Big Data e todas as informações que os clientes deixam quando fazem suas reservas online, interagem com algum conteúdo na web ou mesmo compartilham seus momentos nas redes sociais, é muito fácil conhecer e analisar esses dados em grande escala” (TECH NOTEL).

O propósito dessa grande quantidade de dados? Conhecer e entender a fundo hábitos de consumo e necessidades do turista, possibilitando assim, a criação de ofertas personalizadas e condicionando os destinos para torná-los mais adequados para os visitantes.

Além disso, o Big Data está presente em mecanismos de recomendação em sites de reservas (como o utilizado pela Netflix para te indicar um filme); Otimização de rotas, otimizando rotas e custos; Bots de suporte de viagem, baseados em Inteligência Artificial (IA) e análise preditiva.

Realidade aumentada

Já pensou em “testar” um destino, hotel ou atrativo turístico em tempo real antes mesmo de chegar lá? Parece até coisa de ficção científica, mas, essa é apenas uma das possibilidades no uso da Realidade Aumentada (AR).

A RA (na sigla em inglês) combina elementos reais com virtuais e pode ser experimentada com um simples smartphone, tablet, ou através de óculos especiais. Basta apontar a câmera do celular e navegar em um mundo de informações e conteúdos sobre um destino ou ponto turístico específico.

Imagine chegar em um Museu da Segunda Guerra Mundial e obter a representação gráfica de campos de batalha, soldados ou mesmo a simulação de um combate?

Restaurantes podem atrair os turistas para visitar o local, proporcionando uma visão de 360 graus da área de jantar e os pratos que eles servem utilizando modelos 3D virtuais. Além disso, é possível exibir o menu e até ingredientes utilizados.

As possibilidades de criação de conteúdo são de fato, infinitas. E de acordo com especialistas, em pouco tempo não será mais opcional oferecer a experiência de RA aos turistas.

Internet das Coisas (IoT)

Internet das Coisas ou IoT (sigla para Internet of Things, em inglês) nada mais é do que a incorporação de sensores e tecnologias em objetos do cotidiano, sejam eles carros, prédios ou malas de viagem, os quais podem ser monitorados e transmitir informações em tempo real através da internet.

No turismo as chances de implementação são as mais diversas: no setor de hospitalidade, por exemplo, a rede Virgin Hotels implantou um sistema que permite ao hóspede acionar o termostato do quarto e o controle remoto da TV por meio de um aplicativo.

Na aviação, a Delta Airlines disponibiliza um aplicativo (o Fly Delta) que permite ao passageiro acompanhar todo o percurso realizado por sua bagagem. E, em caso de perda, o rastreamento também é possível, através do seu sistema de identificação por rádio frequência (Radio Frequency Identification).

Em um contexto mais amplo, a Internet das Coisas pode ser utilizada também para tornar os destinos mais inteligentes e interativos, ao passo que cada vez mais são desenvolvidas Rotas Turísticas Inteligentes, onde os locais se comunicam com o smartphone do turista através de sensores e repassam conteúdos informativos.

Robôs

A substituição de humanos por robôs em diversas atividades profissionais parece mesmo um caminho sem volta. E no turismo, não poderia ser diferente.

De acordo com um estudo apresentado pela Associação Espanhola de Diretores de Hotéis, espera-se que 96% dos recepcionistas sejam substituídos por máquinas semelhantes às dos aeroportos na realização de tarefas como check-in e check-out.

No Japão por exemplo, em alguns hotéis isso já é uma realidade cotidiana. Além das atividades de recepção, pode-se encontrar ainda robôs que carregam malas e até entregam toalhas no quarto dos hóspedes.

Aplicações

O smartphone tornou-se uma das principais ferramentas para organização e planejamento de nossas viagens. Com ele é possível reservar voos e hotéis bem como adquirir ingressos e passeios turísticos. Além, claro, do seu uso em aplicações como a Realidade Virtual e Internet das Coisas.

Do outro lado, ele também tornou-se uma ferramenta muito útil para os turistas quando eles chegam ao destino. Prova disso é que um em cada três turistas faz o download de aplicativos da cidade ou destinos turísticos que visitam, de acordo com um relatório do YouGov. Enquanto 36% usam o smartphone para reservar acomodações ou atividades quando já estão lá.