O que fazer em Moreré? Quais os melhores passeios para se fazer na região? Se você é daqueles turistas com pouco apreço por destinos de massa precisa conhecer Moreré, um paradisíaco vilarejo situado na Ilha de Boipeba, em Cairu, um dos raros municípios arquipélagos do Brasil.

Reconhecida pela UNESCO como Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural da Humanidade, as praias de Boipeba, e por conseguinte, Moreré, são cercadas pela Mata Atlântica e protegidas por recifes de corrais, responsáveis por formar um dos seus principais atrativos: agradáveis e fotogênicas piscinas naturais, ideais para curtir mergulhos relaxantes.

Ao todo, são 3km de mar verde e areia branquinha, sombreada por bonitas amendoeiras e coqueirais, em um traçado recortado, enfeitado por curvas.

As pousadas são super charmosas — os 24 meios de hospedagem, todos pé na areia e distantes entre si, oferecem a experiência de dormir e acordar em uma praia praticamente vazia. Pra sair à noite, somente levando lanterna ou utilizando a do celular.

Acrescente a lista um povo acolhedor, gastronomia simplesmente divina e uma vibe praiana super tranquila. Pronto. Está formado o combo perfeito para aqueles que estão em busca de um paraíso para se isolar, o que é ideal para estes tempos que estamos vivendo.

Neste mini–guia, reunimos informações sobre os principais passeios em Moreré, dicas sobre como chegar ao destino e também a melhor época para visitar o destino.

Como chegar em Moreré

Ainda mais remota e erma do que a Ilha de Boipeba, chegar até Moreré não é das tarefas mas fáceis. Em linha reta, 90 km separam Salvador da Ilha de Boipeba. Depois, mais 7 km até Moreré.

O local costuma ser visitado por turistas que estão no Morro de São Paulo e desejam conhecer as regiões vizinhas. Porém, o ideal é ficar hospedado por alguns dias em Moreré, só assim você conseguirá aproveitar ao máximo toda a tranquilidade e paz que o destino oferece.

Agências de turismo receptivo em Salvador organizam todo o traslado (marítimo e terrestre). A Island Tour tem um atendimento atencioso via Whatsapp (71) 98324-3800. Espere investir algo em torno de R$ 210 (por pessoa) cada trecho.

A aventura de chegar ao vilarejo por conta própria dura cerca de sete horas e começa no terminal de São Joaquim, em Salvador, com uma balsa que vai até Bom Despacho, na Ilha de Itaparica (R$ 5,10 ou R$ 6,70 no fim de semana). A parada é interligada à rodoviária de onde saem ônibus da Cidade Sol para Valença (R$ 32,50).

Peça para descer próximo ao cais e pegue uma lancha rápida até Velha Boipeba (R$ 45); Desse ponto, são mais 7 km que podem ser percorridos tanto em uma jardineira puxada por um trator (R$ 10 por pessoa) quanto de quadriciclo (R$ 25 por pessoa). O percurso é percorrido em cerca de 20min.

Táxi aéreo

Voo de Salvador para Boipeba: do aeroporto de Salvador até Boipeba são apenas 20 minutos de voo com a Bahia Terra Táxi Aéreo. O valor por pessoa por trecho é de R$ 850 + R$ 30 da taxa de embarque.

O que fazer em Moreré

Apesar de Moreré não ser um destino tão conhecido, há muitas opções de passeios para todas as idades. Uma dica importante é sempre ficar de olho na tábua de marés, pois a maioria das atividades acontece no mar. Ao planejar sua viagem, procure dias em que o nível da maré estará abaixo de 0,5 m no meio da manhã. Quanto mais perto de 0,0 m, melhor. 

Links para consultar a tábua de marés
marinha.mil.br/chm/tabuas-de-mare ou climatempo.com.br/tabua-de-mares

Mergulhar nas piscinas naturais

Com águas cristalinas e bem morninhas, as piscinas naturais de Moreré são super convidativas a um mergulho relaxante ou à prática de snorkel. Certamente um dos principais atrativos do lugar. Para chegar até elas você poderá optar por um passeio de barco ou lancha (R$ 30 por pessoa).

Para curtir a atração em seu auge, quando é possível mergulhar e ver os corais no fundo do mar e ao mesmo tempo, encantadores peixinhos coloridos, o ideal é sair para fazer o passeio até no máximo às 9h; assim dá pra fugir dos passeios que vêm de Velha Boipeba e do Morro de São Paulo.

piscinas–naturais–Moreré 1024x679 - Água morna e cristalina, piscinas naturais, quilômetros de areia branca e coqueiros compõem o cenário paradisíaco de Moreré
Barcos levam visitantes para mergulhar nas piscinas naturais na Praia Moreré (Creative commons/Flickr/Patricia Silva).

Leia também:

10 piscinas naturais que são o verdadeiro sonho de verão

Passear de quadriciclo

Os quadritáxis, que fazem o trajeto entre Boipeba e Moreré, também fazem passeios. Para se ter uma ideia de valor, de Moreré para Cova da Onça, com parada na Ponta dos Castelhanos, o valor sai por R$ 200 o casal.

Caminhar até a Ponta dos Castelhanos

castelhanos03 1024x682 - Água morna e cristalina, piscinas naturais, quilômetros de areia branca e coqueiros compõem o cenário paradisíaco de Moreré
Pontal de Castelhanos. Foto: Thais Romanelli

Caminhar pela ilha de Boipeba, que soma um total 20 km de praias, é outra grande pedida entre os passeios para se fazer na região. A dificuldade de acesso mantém o destino livre das multidões e consequentemente, as praias praticamente desertas.

Um dos percursos mais explorados entre os turistas é o que leva até Bainema e a Ponta dos Castelhanos, praias com densidade demográfica anda mais baixa; olhando para o mar, fica à direita de Moreré.

 A Ponta dos Castelhanos é um lugar que você pode visitar 100 vezes e nunca vai estar igual. O cenário se transforma de acordo com a maré, que chega a recuar quase um quilômetro, revelando corais, pontões de areia e formando piscinas cristalinas de água salgada.

castelhanos04 1024x632 - Água morna e cristalina, piscinas naturais, quilômetros de areia branca e coqueiros compõem o cenário paradisíaco de Moreré
Piscinas naturais em Pontal dos Castelhanos. Foto: Thais Romanell

A trilha dura cerca de 1h30 – uma hora para cruzar a praia de Bainema e outra meia hora para atravessar o mangue que leva ao rio que banha Castelhanos. O caminho pelo mangue pode ser difícil de acertar na primeira vez, mas é possível contratar um guia para orientar o percurso saindo de Moreré. O mais importante é se certificar que a maré estará adequada à travessia a pé, tanto na ida quanto na volta. No final do mangue, uma canoa te leva ao outro lado do rio.

Ao chegar, não deixe de pedir um delicioso pastel de lagosta, siri e polvo, uma deliciosa iguaria servida em suas barracas de palha (a partir de R$ 20).

Praia da Cueira

À esquerda (de quem olha para o mar), areia e mar costumam estar mais frequentados, mas nunca aglomerados. Nesse sentido, pode–se chegar tanto à praia da Cueira como também Tassimirim; ambas com uma paisagem surpreendente, formada por vastos coqueirais, larga faixa de areia e o mar translúcido.

A Praia da Cueira possui uma boa estrutura com restaurantes e barracas, assim, você poderá passar o dia por lá sem preocupações. Já a praia de Tassimirim não possui estrutura física, então você terá que levar suas coisas para passar o dia.

A caminhada saindo da Praia de Moreré leva em média 1h.

25 bar na praia da cueira 01 1 1024x722 - Água morna e cristalina, piscinas naturais, quilômetros de areia branca e coqueiros compõem o cenário paradisíaco de Moreré
Barraca na praia da Cueira. Créditos: Rafa Penedo / Postais pelo Mundo.

Fazer o passeio Volta à Ilha

Áreas mais difíceis de acessar caminhando podem ser exploradas de lancha no passeio Volta à Ilha, certamente um dos mais tradicionais na região. Variado, o roteiro geralmente inclui duas piscinas naturais e ida à vila de pescadores Cova da Onça para almoçar (R$ 130 por pessoa).

Um dos destaques do roteiro certamente é o Portal das Ostras, uma balsa ancorada no rio do Inferno que virou bar flutuante na praia de Tapuias. Criadas na própria comunidade, ostras frescas (R$ 25 a dúzia) chegam às mesas com o drinque típico número 1, a caipirosca de cacau com biribiri (pequeno fruto verde e azedo; R$ 20). O pôr do sol no deque do bar é imperdível.

Passeio de Canoa

Em Moreré, é possível realizar passeios de canoa ou de lancha pelo rio ou até as piscinas naturais. As saídas são organizadas pelos moradores locais que possuem barco ou pelas agências de turismo, que apresentam ao turista a flora e fauna local, além de oferecer atividades como mergulho com cilindro e com snorkel.

Relaxar na Praia de Moreré

xmorere1.jpg.pagespeed.ic .cUnrB3Ht i 1024x615 - Água morna e cristalina, piscinas naturais, quilômetros de areia branca e coqueiros compõem o cenário paradisíaco de Moreré
Praia deserta em Moreré, na ilha de Boipeba, na Bahia Foto: Flávia Milhorance / O Globo

Por fim, reserve um tempo para apreciar a natureza quase intocada da praia de Moreré. O destino figura em muitos rankings das praias mais bonitas do país e certamente, merece um momento de contemplação.

Ao invés do relógio, é a maré que rege o tempo nesse canto do mundo, ditando a hora de caminhar pela praia ou de boiar nas piscinas naturais. Ademais, Moreré é um daqueles lugares para pra desconectar o celular e ler um livro. Curtir a brisa e se reconectar com a natureza.

Qual a melhor época para visitar Moreré

Ao planejar o desconfinamento em Moreré é importante saber: lua e maré regem a paisagem. Ela será realmente ideal nas luas cheia e nova, épocas que registram as melhores marés para curtir as piscinas naturais. Como citamos no início do texto, escolha um porto próximo e procure dias em que o nível da maré estará abaixo de 0,5 m no meio da manhã. Quanto mais perto de 0,0 m, melhor.

Para aproveitar a praia com ainda mais distanciamento social evite a alta temporada de verão, quando a ilha costuma receber mais visitantes, principalmente vindos do Morro de São Paulo.

Dicas gerais sobre Moreré

  • Não existem caixas eletrônicos em Moreré. Programe–se para levar dinheiro em espécie;
  • Cartões de crédito e débito são aceitos em pousadas e alguns restaurantes;
  • Na sua bagagem, leve somente o necessário. É possível contratar o serviço de um carregador de mão;
  • Não esqueça o básico: protetor solar, chapéu, óculos escuros, repelente, álcool em geral e máscara no rosto;
  • Farmácia só em Velha Boipeba, por isso, leve seus medicamentos.