Enquanto o livre trânsito de passageiros não é seguro nem possível, viajantes do mundo inteiro tiveram que readaptar seus planos de viagens para o “novo normal do turismo”, onde o distanciamento social ainda é extremamente necessário.

Aqui no Brasil, por exemplo, um levantamento feito pelo Airbnb mostrou que “casas de campo, chácaras e casas de praia em cidades pequenas, próximas de onde se mora, tem sido cada vez mais buscadas como alternativa para viagens com a família sem abrir mão da segurança do isolamento social”.

Essa tendência já vinha sendo apontada anteriormente em estudos ligados ao turismo de luxo, impulsionada pela ideia da exclusividade. Mas agora, com a necessidade de seguirmos isolados, especialistas acreditam que a busca por destinos remotos, que oferecem experiências totalmente ligadas à natureza – e com pouquíssimo ou nenhum contato humano – deve ganhar ainda mais força.

Turismo de isolamento

15996919235f595c93b85b9 1599691923 3x2 lg - Turismo de isolamento é opção para quem quer mudar de endereço durante a quarentena
O Cristalino Lodge oferece a experiência de hospedar-se em meio à vida selvagem da Floresta Amazônica. Foto: Divulgação.

Das casas de campo ou de praia às residências de luxo, turistas têm buscado opções nas quais o distanciamento social seja uma escolha e não um esforço.

O foco da viagem não é conhecer pontos turísticos e passear por aí, e sim mudar os ares, acalmar a mente e reconectar-se com a natureza ao redor. É mais aproveitar momentos em família, fugir da rotina. Poder descansar em uma cama gostosa ou apreciar um bom livro na varada iluminada.

Por isso mesmo, os indivíduos e famílias isolados juntos, buscam acima de tudo privacidade e a segurança máxima que o momento exige. Modelos de hospedagem com unidades bastante afastadas umas das outras, que garantam o distanciamento entre os hóspedes, ganham preferência.

Outra característica relevante desse movimento, conforme apontado pela Euromonitor International, é o fato de que os viajantes estão optando por alugar imóveis por longos períodos ou contratando longas estádias em propriedades hoteleiras, para seguirem isoladas na quarentena.

No caso do Airbnb, plataforma que oferece acomodações particulares, a busca por esse tipo de hospedagem cresceu 150% em relação à verificada no mesmo período do ano passado.

Paradoxalmente, os viajantes que querem isolamento procuram estar conectados, com a ideia central de seguir em quarentena e em home office.

Para onde ir

Nestes tempos de pandemia, destinos situados em um raio de até 300 km dos centros urbanos, para ir de carro, ganham a preferência dos turistas. Afinal, a gente só vai se sentir seguro para viajar longas distâncias depois de aprovada – e disponibilizada – uma vacina eficaz contra o coronavírus.

Por isso mesmo, o turismo de isolamento aparece como uma opção mais segura para aqueles que querem mudar de endereço durante a quarentena, mantendo o isolamento social.

Na Praia do Preá, em Jericoacoara , o Casana Hotel conta com apenas oito bangalôs completos, isolados uns dos outros, à beira da praia e rodeado de muito verde.

Em Itacaré, no sul da Bahia, o empreendimento Kabru reabriu para hóspedes duas casas rodeadas de mata atlântica. Um dos imóveis tem dois quartos e vista para o rio das Contas.

O Botanique, em Campos do Jordão , que já oferecia privacidade, passou a servir o menu do restaurante no quarto. E café da manhã, que já era oferecido no dormitório, não é mais arrumado à mesa por funcionários.

A Casa da Jutinga, situada em São Francisco Xavier, é uma propriedade com jardim, trilha e cachoeira. Já o Etnia Casa Hotel fica localizado em meio a um bosque tropical a apenas 350 metros do famoso Quadrado. A propriedade possui 7 casas totalmente independentes e isoladas.

Em meio à floresta amazônica, o Cristalino Lodge disponibiliza chalés isolados uns dos outros, rodeados de vida selvagem.